a
a

BallasCast – Episódio 41 – Mari Armellini: Parte 1

EPISÓDIO 41 - MARI ARMELLINI: PARTE 1.


Senhoras e senhores, ladies and geeeeeeeeeeeeeeeentlemans, madames et messieurs, robôs e roboas, está começando mais um…


BALLASCAST…


MÚSICAAA!


Olá, olá, olá, seja infinitamente bem-vindo ao BallasCast, hoje temos uma presença ilustre aqui…


Ela é atriz, atriz de verdade. Ela é improvisadora, você já viu ela no “É Tudo Improviso”, você já viu ela no “Improvável”, você já viu ela na novela da Globo


Sim, ela já fez mais de uma novela…


A gente é chique, quer dizer, ela é chique, mas ela veio aqui, então, EU sou chique também, e ela é minha amiga do coração, amo, a Olívia maravilhosa.


MARIANNA ARMELLINI…


HHHHHHHHHHHHHEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!


AAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!


– É tanto amor Mari, por você… eu sou muito seu fã Mari.


– É muito amor!


– Bico do peito… em todos os lugares… não vou pegar por que…


– Pega o peito todo… Oi?


(Música)


Mari.


– Eu!


– Você…


– Eu tarra chateada que eu não tarra sendo chamada aqui, que Cristiana foi chamada primeiro, eu tarra chateada, tarra magoada em casa… que eu magoo fácil, pego mágoa fácil…


– Fala mais disso, fala mais disso… desse jeito assim vai…


Eu tarra, eu perro magoa fácil, que eu sô, as pessoa exprica pra mim que eu tenho signo peixes né? E diz que o peixe é magoado, mas é, eu magoei que eu sou ciumenta assim… eu gosto dos meus amigos tudu junto, se num junta, aí foi Cristiane primeiro, eu não entendi, aí eu falei, ah é marrr bonita, tem marrr peito, tem marrr bunda…


Eu sempre olho…


– Aí se você não sabe, Cristiane Wersom é a outra Olívia, uma das ex-olívias, enfim… é da turma, dessa mesma turma…


– A Cristiane Wersom é a preferida… A Cristiane Wersom é a preferida…


– E ela foi apresentada antes da Mari


Tarra magoada


– Mas saiba você que a Cris não tem vídeo, ao contrário de você.


– AAAHHHH CHUPAAA! Pra onde eu mando chupar? AQUI?


– Aqui.


– Gente…eu preciso falar… preciso parar de falar essa coisa de chupar…


– Por quê?


– Eu dou uns foras… hoje eu dei um fora…


– Hoje?


– Hoje já dei um fora…


– O que aconteceu? Compartilha…


– Vou compartilhar o meu fora. A gente faz a mesma academia né?


– Uhum… Articular.


– A gente frequenta a academia “Articular” muito, é muito hipster… é muito hipster pro nosso gosto. É, e aí vai umas pessoas assim, Tulipa Ruiz, Alice Braga


– Sim!


– E hoje amor… hoje, hoje, no dia de hoje foi o Criolo.


– Olha… na academia?


– Um minuto de silêncio… daí eu tava lá pegando minha aguinha ali, pá, nã-nã-nã, ele tava esperando atrás, quando eu fiz…. IIIRRRGH…. Paralisou um lado meu assim, o rim parou, meus órgãos pararam…


– O Criolo.


– O Criolo, o Criolo.


– Tá!


– Aí eu subi assim, eu tava embaixo, aí eu subi na academia, aí eu olhei pros… pros meninos e falei “É O CRIOLO”, eles falaram “É”. Aí tinha um senhor parecendo o “escova”, sabe aquele, lembra aquele cabelo assim…


– Sei!


– Tinha um senhor ali parado, que eu caguei pra quem era, aí tava para os instrutores “GENTE O CRIOLO, PELO AMOR DE DEUS”…


Aí eles falaram “O QUE QUE TEM? ”…


Eu falei “EU NÃO POSSO IR LÁ PEDIR PRA CHUPAR O PAU DELE? ”.


Só que essas pessoas não são minhas amigas, elas não estão acostumadas que eu fale essas coisas… você tá, as pessoas que convivem comigo sabem que eu falo isso, mas eles não tavam… eles deram um grito… aí daqui a pouco sobe o Criolo, aquele senhor que tava ali do lado e ouviu eu falar…


– Sei!


– ERA O PAI DELE!


– NÃAAAO! NOSSA MEU DEUS.


– Era o pai dele… mas eu já achei o quê? Eu já achei bom que a pessoa já passa o recado pro filho… que eu tô querendo o quê? Eu tô querendo chupar o pau do Criolo assim que puder.


– Que legal Mari…


– Assim que tiver uma brecha… daí ele tava fazendo os alongamentos e eu olhando aquilo… não conseguia, de jeito nenhum, mas eu fiquei olhando bem pra usar depois a imagem.


– Nossa.


– Pra usar mais tarde…


Criolo, Criolo você que ouve a gente direto…


– Gente, Criolo


– Ele é fã do BallasCast


Criolo


– Entao @mariarmellini


@mariarmellini, eu tô aí… EU TÔ AÍ!


– Com dois eles. Entendi. Entendi. Que legal!


– Porra!


– O pai do Criolo I’m sorry…


– O pai do Criolo ouviu tudo isso mas assim, desculpa mas acho que isso é um elogio…


– É um elogio!


– Né?


– Não, é bom! É bom! Eu também…


– As dez da manhã, você está lá toda cagada pra fazer academia, você olha e diz que gostaria de para tudo agora pra…


– Fazer…


– Pra fazer esse serviço aqui… MARAVILHOSO GENTE!


– Legal! Oh Mari, eu estou muito feliz que você está aqui porque eu já entrevistei improvisadores, Barbixas, o palhaço e tal… mas assim, mais atriz mesmo… é a primeira…


– Mentira! Cristiane Wersom, você entrevistou antes de mim…


– Ai caramba…


– E ela fez a mesma escola, fez a peça…


– Mas ela não tá no vídeo…


– Ela não tá no vídeo… chupa Cristiane… Já contei do Criolo?


– HAHAHAHAHA.


(Música)


– E…


– Atriz.


– Você é atriz com A maiúsculo, você fez Escola de Artes Dramáticas…


– É uma só… Arte Dramática!


– Ah tá bom… Escola de Arte Dramática


– É eu falava Artes Dramáticas depois a gente descobriu que é uma só…


– É uma só. Tá! Escola de Arte Dramática.


– FIZ!


– E aí você… que é a EAD, que é uma escola dificílima, que entram sei lá… 20 pessoas por ano?


– 20 pessoas por ano.


– E você… como você entrou lá? Como você quis ser atriz? Como você entrou lá?


– As pessoas me perguntam “Ah, como é que surgiu essa coisa de ser atriz ”, eu não sei, é muito nebuloso pra mim assim…


– Mas você fazia teatro amador?


– Fazia teatro amador, desde os 15 anos eu faço!


– Legal! Legal!


–  Dos 6 aos 12, quando eu morava em Campinas, interior, eu era, eu fazia balé… e eu amava a parte mesmo que eu mais gostava, eu detestava ir em aula… até hoje eu sou assim, não gosto de ensaiar, não gosto de… eu sou meio preguiçosa. Eu gosto de apresentar, eu gosto de palco, desde os 6 anos, então eu era uma criança tímida, juro por Deus, eu era uma criança…


– Você era tímida.


– Muito, muito, muito tímida. Patologicamente tímida… eu era muuuuito… Criolo também é tímido… ah, que amor!


– Ah Criolo


– Não mas, eu era muito, muito tímida, mas no palco, eu já falei sobre isso… engraçado que o palco me protegia…


– Sei.


– Pra algumas pessoas é o contrário, o palco amedronta… Pra mim não, me protegia… então ali eu era muito livre, dos 6 aos 12 apresentar no fim do ano balé, era a coisa que eu mais amava fazer, e eu ficava meio radiante assim, eu ficava uma criança meio “AAAAHHHH”… minha mãe me olhava e “Nossa, ela não é…”


Daí com 12 eu parei e aos 15 começou teatro amador na minha escola, e eu assisti o espetáculo do professor, que era o “Auto da Barca do Inferno”, ele apresentou e eu achei aquilo incrível. E a minha escola era uma escola que incentivava muito… a gente vinha pra São Paulo pra ver teatro, então você pegava o busão, ia no Sesi, ia na Aliança Francesa


Eu vi muita coisa do Tapa, eu vi uns clássicos do Tapa, tipo “O Vestido de Noiva” deles, que era uma montagem histórica…


Então eu, eu… aquilo ia me alimentando assim, eu gostava de contar história, eu gostava de…


– Mas quando você decidiu e falou “Putz, eu vou prestar para ser atriz”, porque você fez…


– Foi no último ano…


– No último ano!


– De colégio…


– Colégio!


– Que eu fui prestar a Unicamp… Não passei na aptidão… AHAAAAAAAA.


– AHAAAAAAAAAAA.


– Era Deus mandando um sinal, mas a gente vai contra… a gente fala “eu não quero”.


Daí eu continuei… eu fiquei triste, mas aí continuei fazendo teatro e prestei Publicidade e vim pra São Paulo fazer…


ESPM. Fizemos os dois ESPM.


– A escola de que as pessoas que não sabem o que fazer, vão fazer…


– EXATAMENTE!


– E aí, principalmente nos anos 90, as pessoas faziam isso porque não sabiam o que fazer…


– Exatamente!


– E quase ninguém é publicitário… quase ninguém…


– Não, na minha turma quase ninguém inclusive…


– Não. Tal, tal, tal… faz Cinema, vai fazer outras coisas… e aí cheguei lá e quem tava dando aula? Tava lá?


Dan Stulbach… que deu aula pra mim também!


– E o Fábio Her.


– E o Fabinho Her foi…


– Eu entrei em 97…


– Um pouco, bastante depois…


– Bastante depois… eu entrei… não, você ainda tava… você já tava saindo.


– Entrei em 94, mas eu fiz parte do grupo de teatro de lá…


– Sim, mas você tava saindo, quando eu entrei eu lembro da sua figura lá…


– De a gente se cruzar lá…


– E daí a gente… quando eu entrei, a primeira coisa que eu procurei foi o grupo de teatro…


– Ah…


– Então já era uma coisa que me movia…


– Tava em você!


– Que tava em mim, mas fica essa coisa, vai viver de quê? Vai fazer o quê? Mas enfim…


– Quando você prestou EAD foi em que ano?


– Foi no meu último ano de ESPM.


– E você entrou na primeira?


– Entrei na primeira…


– UAU!


– Mas o que que me salvou? A ignorância…


– UAU!


– Eu não sabia o que era. Não tinha ideia de que era difícil de entrar. O que que acontece? Eu tava pobre e queria fazer teatro…


– Ah.


– Aí uma amiga minha virou e falou “porque você não faz aquela escola que o Dan fez? ”


– Ah entendi…


– Eu falei “que escola…”


“Então, é na USP e não paga”.


A única coisa que ficava na minha cabeça “Eu não vou precisar pagar…”


– Na USP não paga…


– Na USP eu não vou precisar pagar…


– Legal!


– Daí eu fui prestar junto com o Otavio Dantas, que é nosso amigo, colega e tal, e ele fazia teatro também e a gente fez tudo em duplinha, todas as provas…


E o Dan me ajudou muito, porque o Dan ficava assim, ele me conhecia, que eu sou insegura pra cacete, você me conhece também, ele falava assim “Oh, não conversa com as pessoas, porque as pessoas vão vir falar pra você que elas fizeram isso, que elas fizeram Tunes, que elas fizeram Cataz, e você vai se sentir uma merda…”


Que eu realmente era, no caso, mas eu ia já me identificar como e achar que não…


E aí eu fui passando, eu tava tão honesta, tão na verdade de assim, tipo, gente eu não sei…


Eu lembro na primeira aula da História do Teatro eu falei “eu não sei o que eu estou fazendo aqui…”


– UAU!


– “Eu nunca li, eu não sei, eu sou a ignorantona”.


– Porque tem uma coisa que é legal de falar, porque as pessoas não sabem é assim, a EAD, como é uma escola muito concorrida, a quantidade de gente que presta é muito grande…


– Geralmente…


– Gente do Brasil inteiro…


– É!


– Gente que presta, eu tenho amigos que prestaram quatro ou cinco vezes, porque você pode prestar várias vezes…


– Sim!


– Então é muito, realmente é um vestibular muito, muito, muito difícil de entrar, então é interessante isso…


– A Renata das Olívias, era a quinta a vez que ela tava prestando…


– E é muito legal isso que você por uma outra, porque claro, você já era talentosa, porque eu sei que era…


– Obrigada!


– Até porque tem uma coisa engraçada que eu tava falando com os Barbixas


Tem três tipos de… eu falo que assim, tem gente que acha que é melhor do que é.


Tem gente que acha, que sabe seu tamanha, é isso mesmo…


Tem gente que acha que é muito menos do que é…


E tem você que tá um pouco abaixo, você tá aqui… você e a Gabriela Argento que é do Cirque du Soleil


– QUE EU AMO DE PAIXÃO…


– Eu acho.


– Ela é assim também?


– Ela é que nem você, ela “Ai Marcio meu pai falou “Gabi você tá no Cirque du Soleil””.


– Você tá no Cirque du Soleil A Gabi é uma gênia…


– Ela é a palhaça no Brasil que mais entende…


– MARAVILHOSA!


– E você é outra. Você fez Globo, você tá na Internet…


– Mas é tudo na cagada… sabe assim? É meio na cagada, meio sem querer, porque sei lá, você almeja isso e aí depois quando você percebe o, quando eu percebo que, puta, vai ser muito complicado entrar por aí, eu vou ficar na minha.


Aí quando você fica na sua é que vai…


É igual a xavecar alguém na balada, quando você fica muito forçando a barra, não vai dar certo.


Quando você relaxa e tá lá com uma alface no dente, meio cagado, com bafo… aí vai rolar!


– Leva uma alface pra academia semana que vem…


– Não gente, eu vou esfregar… Crioloooo….


(Música)


Muito bem, muito bem, muito bem, chegamos ao final de mais um episódio (AAAHHH)


– GRAÇAS A DEUS!


– Mas na segunda feira que vem tem mais (EEEHHH).


– NÃO VAI SER COMIGO ENTÃO NÃO TEM TANTA GRAÇAAA…


– E…


– AGORA…


– NÓS…


– VAMOS…


– FINALIZAR…


– ESSE…


– PODCAST…


– COM…


– UMA…


– MARAVILHOSA…


– MENSAGEM…


– PARA…


– VOCE…


 


– HOJE…


– VOCE…


– FAZ…


– O…


– MELHOR…


– DE…


– VOCE…


– ?


 


– UAU!


– UAU!


– Pão de Açúcar podia comprar esse slogan…


– Podia fazer no Pão de Açúcar né?


– Podia fazer…


– A Clarice Falcão não vai fazer…


– E a gente vai terminar falando juntos, a partir de agora, três, dois, um… Vai!


– MNSELEIOÇOV…. PESSOAL… UM ABRAÇO GRANDE… E DO FUNDO DO… CORAÇÃO… PRA CADA UM DE VOCES… VOCÊ… VOCÊ QUE ESTÁ AÍ… OUVINDO… E TOOOOOOODOOAA SUA FAMÍLIA… FILHO… FILHA… MÃE… PAI… E IRMÃO… IRMÃ… E UNIVERSO!


TCHAAAAU!


– Cenário de programa infantil…


– NOSSA!


– UUUAAARRR…


– ORNITORRINCO. UM BEIJO PRO CRIOLO…


Comentários

Loading Facebook Comments ...